The Mummy (2017)

A Universal Studios é detentora de alguns dos grandes monstros de Hollywood depois de, nos anos 30, ter estreado clássicos como Dracula, Frankenstein e The Mummy, protagonizado pelo lendário Boris Karloff. Tais monstros (e mais outros como Invisible Man, Wolfman e Creature of the Black Lagoon) tornaram-se icons dos monstros da Universal. Como tal, de vez em quando, o estúdio decide pegar neles e tentar lucrar mais um pouco. Fê-lo em 1999 com The Mummy, por exemplo, uma aventura muito ao estilo de Indiana Jones, protagonizada por Brendan Fraser e que foi um êxito tão grande que deu origem a duas sequelas e a um spinoff. E fá-lo agora com esta nova versão, protagonizada por Tom Cruise e que pretende ser o início do Dark Universe, um universo cinemático que pretende eventualmente juntar todos os monstros da Universal num único filme.

Nesta nova versão, somos transportados para os dias de hoje e seguimos um aventureiro que, após libertar uma poderosa múmia (e sim, aqui é uma mulher) vê-se amaldiçoado e perseguido pela mesma. Cruise é o cabeça de cartaz, num filme onde é sempre estranho vê-lo e onde, apesar de se esforçar, parece ser uma escolha errada para o papel. Depois temos um Russell Crowe como Henry Jekyll, outrp dos monstros deste universo, que lá consegue dar o ar de sua graça. Sophia Boutella é a múmia títular e as coisas não lhe correm bem. O realizador Alex Kurtzman, argumentista de Transformers e Star Trek, faz aqui a sua estreia e aposta mais nas cenas de acção e em criar um universo ainda quase sem bases algumas em detrimento de um argumento competente e personagens interessantes. Para além disso, tenta ainda a sua sorte em criar momentos de terror mas nunca resulta, especialmente devido à falta de tensão, suspense e noção de perigo.


O novo The Mummy até entretém se as expectativas forem nulas. Como entretenimento fugaz e pouco inteligente, acaba por resultar moderadamente. No entanto, Tom Cruise não anda muito bem por aqui, numa escolha de carreira no minímo peculiar, e este Dark Universe vai precisar de um segundo filme bastante superior para poder sobreviver. O segundo será The Bride of Frankenstein, com Javier Bardem e realizado por Bill Condon. Em princípio, o terceiro será The Invisible Man, com Johnny Depp. Veremos ao que isto levará…

Trailer:

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s